QUE FAZER?

Uma “crise” que não é a crise, mas abre oportunidade de superação da crise

 

Carlos Novaes, 08 de agosto de 2015

 

A “crise” política que estamos assistindo, repito, assistindo, não decorre do choque entre projetos diferentes, a “crise” parece a crise porque o desmanche generalizado, sem disfarces, do mundinho dos profissionais da política permitiu a toda gente ver, finalmente, que todos eles tem o mesmo projeto: reunir poder para fazer dinheiro. É por isso que a estamos assistindo: não há como tomar partido nisso. O que está a ruir não é a Petrobrás, muito menos o Brasil, mas um determinado arranjo da política dos profissionais — e o motivo dessa ruína é simples: o pacto em torno do qual todos se arrumavam, o Real, desmoronou. Eles estão a tratar de como sair da encrenca e chamam de crise o salve-se quem puder em que se dilaceram, mas é só uma “crise”. Seremos trouxas se embarcarmos na deles.

O não envolvimento da sociedade nessa “crise” aparece na forma de incerteza ou desorientação precisamente porque não estamos dando aquela paradinha, aquele recuo de cabeça que situações conturbadas requerem — o alarido da mídia está nos arrastando a acreditar que há uma crise. Olhando bem, se repararmos que nem foi o trapalhão Dirceu quem inventou anteontem a corrupção grossa na Petrobrás (essa mesma estatal em que os tucanos tentaram por o “X” multiplicador), nem foi a despreparada Dilma quem inventou esse pacto fajuto pelo qual os ricos não podem perder e os pobres só podem melhorar (e via consumo individual-familiar), quando for possível, cabendo à classe média o papel de fiadora dessa possibilidade — se repararmos com cuidado, eu dizia, o país está sendo chamado, por vias tortas, à realidade de que não há consumo sem produção, de que não há produção sem gente capaz de produzir, de que não se forma gente capaz de produzir sem distribuição da renda, e de que não haverá distribuição da renda sem um novo arranjo político, que é justamente o que a “crise” está nos dando a oportunidade de fazer.

Se fizermos um “alto lá”, talvez possamos encontrar nessa balbúrdia dos profissionais uma oportunidade de iniciarmos prá valer a longa, repito, loonga caminhada para nos livrarmos deles. Faz alguns anos que venho insistindo na crise da representação política profissional (que chamo de delegação), crise essa que só pode ser enfrentada se fizermos a distinção entre representação política e delegação/representação como profissão. Nas mãos dos profissionais, a quem imprudentemente delegamos nossa vontade, a política se tornou um jogo autônomo, desligado da sociedade que eles deveriam representar, desligamento esse que desconectou dos representantes os fluxos de vida que os empurrariam a serem diferentes uns dos outros porque representariam realidades diferentes, saídas da vivacidade da sociedade. Não. Eles passaram a representar a própria realidade de poder e dinheiro em que se abismaram e, assim, tornaram-se realmente todos iguais (com as inúteis exceções de sempre que, quando não estão a fazer gracinhas típicas do cretinismo parlamentar, estão lá apenas a legitimar a avacalhação da representação: são iguais, embora diferentes).

Como o pacto do Real se abre por todas as costuras, eles estão ao desabrigo e sem chão. A “crise” os leva a buscar uma saída fácil (e digo fácil não por não ser trabalhosa e maléfica, mas porque não enfrenta o problema real), saída fácil que tem duas portas: o escorraçamento do PT (embora merecido, já está dado e, portanto, é chover no molhado) e a imolação de Dilma (alvo frágil e de substituição danosa para nós, nesse momento). Se nós, a sociedade, a opinião pública (chame como preferir, leitor), comprarmos a “crise” como crise vamos levar água ao moinho deles de duas maneiras diferentes, ambas contraproducentes: pela primeira, embarcamos nessa de remover Dilma, catarse que só vai trazer ainda mais problemas e, pior, dar a eles a materialização fajuta de uma “crise” que justificará ou encobrirá todo o retrocesso que está sendo urdido para empurrar o país de volta à situação legal pré-Constituinte (o Centrão, derrotado naquela oportunidade, vem se reagrupando em torno de Cunha, Temer e Renan); pela segunda, ao comprarmos a “crise” como crise, passaremos mais uma vez a achar que estamos diante da oportunidade de um desenlace revolucionário, num raciocinar com os próprios desejos em que não vai faltar, claro, uma Constituinte autonomamente convocada (e dê-lhe manifesto!), e isso numa hora em que mesmo as modestas conquistas da nossa Constituição atual estão ameaçadas (oh cegueira!). Em qualquer desses dois caminhos, os vencedores serão eles, os profissionais: pelo primeiro, eles promovem um rearranjo que vai criar novos salvadores da pátria (Temer!?, Cunha!?, Aécio!?, Renan!?, Serra!?), de reinado efêmero, por certo, mas suficiente para continuarem o telecatch e irem tocando o barco de pilhagem por mais uma geração; no segundo, as energias daqueles de nós que se dispõem a combater serão mais uma vez dissipadas sem proveito, pois é certo que os profissionais vão nos tirar de letra, ainda que sempre vá haver gente néscia a achar que está “acumulando forças”.

A experiência internacional mais recente (o vigoroso e inovador 15M espanhol, sua ruim imitação norte-americana, o Occupy, a primavera egípcia e o despetalar grego) já deveria ter levado esse pessoal a entender que nem havia “força acumulada” a liberar, nem há caminho transformador fora de uma representação não-profissional segundo uma verticalidade dinâmica, sem hierarquia, mas também sem as ilusões horizontalistas dos que acham que as pessoas querem (e podem) participar da política todo o tempo: a política como atividade (não como assunto) é para os que dela querem (e podem) se ocupar e estes nem são todos, ou mesmo a maioria de nós, nem apenas aqueles poucos que dela fizeram uma “profissão”: há um contingente intermediário que, interessado, está à margem porque não quer misturar-se à rataria. Desgraçadamente, essa verdade tão simples não se dá a conhecer e, então, a maioria de nós ou se faz refém dos profissionais, ou se abandona na culpa (ou na raiva) diante dos mais “abnegados”, que insistem na quimera da horizontalidade, sempre precedida, é claro, de uma grande hecatombe que nos propiciaria recomeçar do zero. Sei (como se pudesse haver fluxo novo sem memória). Esses “abnegados” sempre terminam em um de dois grupos: representantes profissionais empenhados em lograr um próximo mandato (a rotinização reificante da memória); ou desiludidos amargos dizendo que o mundo não tem jeito (o remoer ressentido da memória) — os militantes gregos estão, neste exato momento, dividindo-se entre esses dois grupos; quem viver, verá. (Mais adiante, se não criarem juízo, os espanhóis seguirão o mesmo caminho, já trilhado pelos italianos faz algum tempo).

A crise de que nos devemos ocupar não requer uma hecatombe restauradora — nossa crise já se dá há tempos, ela é contínua e nós já estamos vivendo seus danos: é a crise da representação. Superá-la requer de cada um de nós fazer a transição que a literatura romanesca já fez: obrigar o romantismo que anseia pela grande crise a dar lugar ao realismo que se ocupa da crise que todos já podem enxergar, afastando-nos da “crise” enganadora que devora a capacidade de juízo lúcido. Precisamos de um trabalho tenaz, mas sem sacrifício; dedicado, mas sem abnegação; partilhado, mas sem a ilusão participacionista; corajoso, mas sem heroísmo; planejado, mas sem holismo; com verticalidade, mas sem hierarquia. Eles nos deram as costas, pois então vamos golpeá-las. Mas vamos fazê-lo com método e dentro do calendário eleitoral da política que queremos transformar. Não aumentemos o trabalho a fazer, antes tiremos proveito da realidade como ela já é: iniciemos com afinco um movimento, uma campanha (chame como quiser, leitor) para que na próxima eleição para vereadores em todo o Brasil ninguém vote em quem tem ou já teve qualquer mandato legislativo. Chega dos mesmos! É simples assim. Uma meta como esta, de fácil explicação e com a qual a indignação generalizada já predispõe as pessoas a simpatizar, pode receber diferentes níveis de engajamento, tirando proveito do muito ou do pouco que cada um puder alocar para o objetivo comum — se a imensa maioria der apenas o seu voto individual na direção que queremos, já será ótimo.

O êxito de um tal movimento, por parcial que seja, haverá de alimentar a ação contínua rumo às eleições de 2018, quando teremos a oportunidade de voltar nossas costas a todos aqueles que estão no Congresso ou lá já estiveram. Por maior que seja a incerteza decorrente dessa substituição geral, ela não haverá de ser mais danosa do que aquilo que eles com certeza nos oferecerão se lá puderem continuar. Ademais, na remota circunstância de que oxalá conseguíssemos uma substituição realmente geral, estaria dada a oportunidade do marco zero para aqueles que, ansiando por ele, estão sempre a adiar o engajamento efetivo no empenho diligente por uma transformação política que abra caminho à invenção. Afinal, no mundo complexo em que vivemos, não dá para lutar por uma transformação apostando na capacidade de invenção da sociedade e, ao mesmo tempo, pretendendo controlar de antemão a direção e o sentido que as coisas vão tomar depois da transformação. Apostemos na inventividade, o depois é outro trecho.

Fica o Registro:

– Serra declarou que a situação de Dilma é pior do que a de Jango. Só mesmo um trouxa pode acreditar num disparate desses. Jango estava acossado por um levante de forças reacionárias organizadas, inclusive empresariais e militares, porque tinha uma agenda (confusa, é verdade) de mudanças contra a desigualdade. Dilma não tem agenda de mudança alguma e os que estão contra ela são um bando de políticos profissionais da pior espécie, que sequer conta com força empresarial organizada (até porque boa parte dela está na cadeia ou em vias de ser presa). Serra está falando dos anos 1960 porque sonha em repetir em benefício próprio o improviso sem-vergonha daquela época: o parlamentarismo. Veja só leitor, o Serra quer ser em 2015 o Tancredo de 1961. Quer ser o primeiro-ministro DESTE Congresso que nos infelicita. Nos anos 1960 havia as vivandeiras de quartel, agora Serra, definitivamente do outro lado, se oferece para puxar o cortejo das vivandeiras do Congresso.

– Se ultrapassarmos o espalhafato dessa “crise” sem desmanchar o calendário institucional em curso, o país vai reencontrar a estabilidade medíocre que tem se mostrado apto a organizar, pois o cenário econômico está longe de ser grave como os vendedores de dificuldades querem nos fazer crer — aliás, o alarido cresce porque eles estão numa corrida contra o relógio, pois sabem que o ajuste de Dilma, que nada mais é do que uma versão (agora inescapável) do que eles sempre propõem, tem tudo para dar certo, se entendermos por certo o que eles próprios entendem: um equilíbrio precário para seguirmos fingindo que encontramos uma alternativa para o país. O menos danoso para nós, até enquanto não se comprovar crimes de Dilma, é esperarmos as eleições de 2018: teremos desmoralizado os golpistas da “crise” e ainda poderemos acertar contas, inclusive com o Lula (isso se o Judiciário não o tiver feito antes).

3 ideias sobre “QUE FAZER?

  1. Aníbal de Mello

    Carlos Novaes, nosso desejo de superação do “profissionalismo” partidário é forte, já que a falta de representatividade do eleitorado só se aprofunda por efeito do aperfeiçoamento dos mecanismos do poder econômico-eleitoral, eleição após eleição. Não temos mais partidos políticos e sim siglas, ou melhor, escritórios de representação do pensamento da “nobreza renascente” fixado nos 5.600 orçamentos (aproximadamente o número de entes federados), na rolagem da dívida interna e no controle da leis. Os partidos políticos atuais, além correias de transmissão desse pensamento, são também veículos para fazer com que corsários se apoderem das máquinas executivas e legislativas para controlar as mudanças e obter com pouco esforço e muita criatividade fatia cada vez maior dos orçamentos, com que podem persuadir parcela dos outros poderes.

    Como será possível aglutinar o pensar transformador, libertador, da maioria do povo pela via da negociação política de modo a superarmos os mecanismos seculares de dominação? Continuaremos a alternar períodos de ditadura e democracia? Estará a transformação da sociedade na associação de interesses entre o trabalho e capital produtivo (não o financeiro especulativo)?

    Responder
  2. soraia

    Olá, Noves! é sempre muito bom ler esse blog.
    só fiquei imaginando o quanto avançamos (?), da então “situação legal pré-Constituinte (o Centrão, derrotado naquela oportunidade, vem se reagrupando em torno de Cunha, Temer e Renan)”, pra chegarmos aqui com estes mesmos q sempre estiveram aí, no mínimo ventriloquando, não? acho q eles não podendo se reeleger vão arranjar laranjas, paus-mandados a continuarem controlando partidos e candidaturas; e a grana mandando ver nos horários eleitorais gratuitos, maquiando e discursando a cada eleição com uma cara diferente.. sem contar o executivo, q podendo ainda continuar com mais 1 mandato a ingerência anterior, poderá sempre botar a culpa nos antecessores (‘já estava assim quando eu cheguei’ – desculpa pronta do Homer Simpson, q o PT adorou), quer sejam ou não alternados os turnos entre sujos e mal-lavados (PSDB), só até q se troquem de cara, enquanto os processos se amontoam, anulam-se ou prescrevem – até virarem memória de peixe.
    embora apoie, assino, ajunto movimento contra políticos profissionais, desde q vi pela 1ª x, vc e o Flávio Gomes falarem disso, pois poderíamos ao menos dificultar pra eles, né? talvez até tirar-lhes privilégios como o ‘foro privilegiado’, q é um absurdo e muita causa de prescrição das punições à roubalheira deles, não?
    pensar assim ainda é um “remoer ressentido da memória”?

    grata, abraço!

    Responder
  3. eder

    Temos que dar a partida.Ser como microbios e comer o cadaver da politica carreirista.Tem um partido feminista se ensaiando.Quer maior simbolo do status quo que uma imagem do plenario da camara com aquele bando de homem de terno ,gravata e colarinho branco

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *