MINIBIOGRAFIA

Carlos Novaes, cientista político, é especializado na análise de preferências eleitorais, tendo introduzido no Brasil o GeoVoto, que estuda as preferências em formação (intenções de voto) tendo como base também as preferências havidas (resultados de eleições anteriores). Essa especialização o levou à TV como analista político, ambiente no qual passou a combinar o estudo e a pesquisa das preferências do eleitor com o estudo e a pesquisa das preferências do telespectador. Tem testado, analisado e supervisionado tanto campanhas e narrativas políticas quanto a elaboração de roteiros para minisséries e seriados, a dramaturgia de programas de auditório, de telejornais, de infantis e de telenovelas, o desempenho de apresentadores e, ainda, a eficiência de peças publicitárias eleitorais ou comerciais. As técnicas e tecnologias de teste e análise que emprega estão consolidadas no Fluxodrama (www.fluxodrama.com), instituto de apoio a quem precisa entender o eleitor/telespectador e a quem se dedica a elaborar narrativas audiovisuais almejando conquistar a atenção, a imaginação, a chancela e a fidelidade de quem assiste.

16 ideias sobre “MINIBIOGRAFIA

  1. Sergio

    Carlos Novaes, bom dia.

    Lembrava de sua participação na TV há alguns anos e tinha algum tempo que não lia/via mais coisas suas. Provavelmente porque saí do país e não acompanhei mais os programas televisivos do Brasil. Acabo de encontrar este blog. No entanto, não encontrei nenhuma forma de segui-lo, seja via newsletter ou por alguma rede social pela qual consiga ver que novos posts/textos foram publicados sem necessariamente ter que entrar diretamente neste site. Há alguma plataforma deste tipo?

    Responder
  2. Thaís França

    Olá Novaes

    Estou muito feliz de achar seu blog! Faço coro com a Rose ao dizer q o JC perdeu muito com sua saída.
    Voltei a assisti-lo com maior assiduidade agora, mas ao ver hoje os comentários finais sobre a reforma trabalhista… ai ai ai. Minha irmã estava inconformada, e aí lembrei a ela que já teve naquela bancada bons comentaristas. E uma busca rápida me trouxe aqui.

    Continue sendo essa voz não consonante com a parvoíce que impera nas mídias em geral

    Responder
    1. Carlos Novaes Autor do post

      Obrigado Thaís – vamos remando na tentativa de entender essa balbúrdia que, não obstante, tem uma perversa racionalidade de fundo.

      Responder
  3. Rose Mari sibin

    Olá
    Carlos
    Novaes.
    Há tempo deixei de assistir o jornal da cultura.
    Depois que o senhor não mais compareceu perdeu-se muito em conhecimento político de verdade.
    Não sei o que aconteceu,mas devido suas posições inteligentes e corajosos imagino o motivo de sua saída .
    O bom é que pessoas iguais ao senhor não precisam aparecer São procurados pelos discípulos.
    Foi bom encontrar o seu blog.
    Felicitaçôes.

    Responder
  4. Mario

    Olá,Professor Novaes, conheci o seu trabalho através da TV Cultura, por isso acho que seria interessante
    se o senhor gravasse vídeos com suas avaliações políticas, para que assim outras pessoas possam
    conhece-lo também.
    as análises políticas são muitas vezes rasas e tendenciosas na grande mídia, precisamos de visões divergentes de especialistas como o senhor.

    Responder
  5. André Stanley

    Olá Carlos Novaes, sei que não se trata de um tema diretamente vinculado a sua área de atuação, mas seria interessante você fazer uma série sobre a tão em voga luta conservadora do “escola sem partido”

    Responder
  6. Fabio

    Olá Carlos, gostaria de parabenizá-lo pelas análises dessa nossa política cada vez mais cheia de meandros. Na hipótese de Temer assumir o mandato presidencial me ocorre que ele poderia propor a realização de novas eleições, porém me parece pouco provável que assumiria esse papel que considero minimamente decente. Qual a sua impressão?
    Sds.

    Responder
  7. Filipe

    Carlos Novaes,

    Comecei a assistir o Jornal da Cultura por sua causa e do Prof. Clóvis.
    Certa vez assisti a um episódio, épico, em que vocês falavam sobre a mídia. Fiquei realmente impressionado em ver aquilo na televisão. Achei que nunca ia presenciar a verdade nua e crua, ali, no próprio meio de comunicação. Sem falar em uma aula que deu em uma tal de Maristela Basso.

    Infelizmente não tenho mais o prazer de ouvir seus comentário e do Clóvis (imagino que por motivos óbvios) durante este jornal. E óbvio, também, deixei de assistir o jornal.

    Precisamos de mais de vocês.

    Abraço,
    Filipe Hentges Nadolny

    Responder
  8. Ramon Gonçalves

    Boa noite Novaes,

    Sou grande admirador dos seus textos, os leio com frequência e por isso gostaria de parabenizá-lo! Uma pergunta sobre sua biografia, o senhor é nordestino? (sou de lá também)

    Responder
  9. francisco elio

    NOVAES, nos últimos tempos tem muito se falado em financiamento publico de campanha, porém, parece que essa bandeira tem um caráter diversionista ,porque ,certamente com a justiça que nós temos os políticos continuariam a receber dinheiro dos empresários por debaixo do pano, gostaria de saber se o SR ver alguma vantagem nisso e também se o voto distrital seria viável no BRASIL???????

    Responder
    1. Carlos Novaes Autor do post

      Francisco,

      dê ima olhada na CATEGORIA “REFORMA POLÍTICA” deste BLOG — há ali vários artigos sobre essas bobagens perniciosas de financiamento público e voto distrital. Abraço.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *